Quem é você, Alasca? – John Green [ Resenha ]





 Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras — e está cansado de sua vidinha segura e sem graça em casa. Vai para uma nova escola à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o “Grande Talvez”. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young. Inteligente, engraçada, problemática e extremamente sensual, Alasca levará Miles para o seu labirinto e o catapultará em direção ao Grande Talvez. Quem é você, Alasca? narra de forma brilhante o impacto indelével que uma vida pode ter sobre outra. Este livro incrível marca a chegada de John Green como uma voz importante na ficção contemporânea.

Editora: Martins Fontes.
Autor: John Green.
ISBN: 8578273427
Páginas: 240.
Avaliação: 5/5  

Miles Halter, adora as últimas palavras, mora com seus pais, tem um ou dois amigos que não dão muita importância a ele e assim, uma vida normal. Até se cansar disso. Decide se aventurar em uma nova escola em busca do “Grande Talvez”. Lá ele conhece o Coronel – Chip Martin, com quem divide seu quarto -, Alasca Young – garota pelo qual se apaixona quase que imediatamente- e Takumi, que o dão o apelido de Gordo.

Alasca Young – tem um jeito simples e complicado ao mesmo tempo. Seu humor varia muito, e seus sentimentos também. Em seu quarto tem a “Biblioteca da Minha Vida”, uma quantidade incrível de livros que ela comprou com o passar dos anos e que pretende ler quando estiver ‘mais velha e chata’ por que agora ainda tem que aproveitar a pouca idade. Quando criança, ganhou de aniversário o direito de escolher seu próprio nome, decidindo por Alasca.

Coronel – antes de conseguir a bolsa para a escola, morava com sua mãe em um trailer, o que nunca foi motivo de vergonha. É veterano na escola e por isso conhece todos os truques quando o assunto é trote.

A vida em Culver Creek acaba sendo mais emocionante do que o esperado. Mas as vezes as ultimas palavras das pessoas que gostamos chegam mais rápido que o desejamos. 


Quotes 

Simples assim. De centenas de quilômetros por hora ao repouso em um nanossegundo. Eu queria tanto me deitar ao lado dela, envolvê-la em meus braços e adormecer. Não queria transar, como nos filmes. Nem mesmo fazer amor. Só queria dormir com ela, no sentido mais inocente da palavra. Mas eu não tinha coragem. Ela tinha namorado. Eu era um palerma. Ela era apaixonante. Eu era irremediavelmente sem graça. Ela era infinitamente fascinante. Então voltei para o meu quarto e desabei no beliche de baixo, pensando que, se as pessoas fossem chuva, eu era a garoa e ela, o furacão.

A caminho do quarto para mostrar o bilhete para o Coronel, percebi  que jamais saberia. Jamais a conheceria suficientemente bem para saber o que se passara em sua cabeça naqueles últimos instantes, jamais saberia se ela tinha nos deixado de propósito. Mas o fato de não saber não me impediria de me importar. Eu sempre amaria Alasca Young, minha vizinha pervertida, com todo o meu pervertido coração.

Quem é você, Alasca? Superou minhas expectativas do inicio ao fim. Me apaixonei pelos personagens, me decepcionei, ri, chorei, e amei cada página dessa história. As vezes confusa, mas encantadora, assim como Alasca. Qualquer leitura pode ser momentaneamente adiada por esse livro, vale a pena. E agora, um próximo livro do John Green será muito bem vindo, por que esse certamente é um dos meus preferidos. 

4 comentários:

Ceile disse...

Oi!

Já li sobre este livro e fiquei super curiosa... E agora ainda mais, pq adoro livros com essa mistura de emoções que vc descreve...

Tá na imensa fila de PRECISO LER URGENTE! rs

Bjoos!

.Bárbara Matos. disse...

Que bom que gostou ^^

Vale a pena ler ;]

Julia G disse...

Bárbara, não conhecia seu blog antes, mas essa resenha me cativou. Afinal, adoro o fato de escreverem sobre livros nem tão conhecidos e diferentes (nunca tinha ouvido falar dele, na verdade).

Já estou seguindo o blog.

Beijinhos
http://conjuntodaobra.blogspot.com

.Bárbara Matos. disse...

Obrigada Julia, seja bem-vinda! *-*

Postar um comentário

 
Layout de Giovana Joris