As Vantagens de Ser Invisível, Stephen Chbosky



Editora: Rocco, Jovens Leitores. 
ISBN: 9788532522337.
Páginas:223.
Avaliação: 4,5/5


Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela. As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário. Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo. 

O livro é narrado por Charlie, o personagem principal, por meio de cartas endereçadas a "Querido amigo". Logo no começo da história ele pede para quem ele está escrevendo, que não tente identificá-lo, tanto que não coloca endereço de resposta e troca o nome das pessoas sobre quem conta. O que, no início, foi estranho, mas logo me acostumei e sentia como se estivesse com as cartas de Charlie em mãos, ansiosa pra saber o que estava acontecendo com ele, qual livro estava lendo pela segunda vez seguida, qual fita estava escutando, e se estava sendo infinito



Na verdade Charlie não quer que fiquemos curiosos com a vida dele, ele simplesmente a conta, com uma maneira de escrever como se estivesse falando pessoalmente, ou seja, depois de parecer que está lendo as próprias cartas que ele escreve, parece também que ele está ali, contando tudo, pessoalmente. Esse foi o detalhe que mais me agradou no livro, pois Charlie se tornou meu amigo, uma pessoa que desejo o bem, assim mesmo, puro e sincero. 

Indo a história em si, não citarei muitos nomes por talvez os mesmos nem serem verdadeiros. Charlie mora com seus pais e sua irmã, e tem um irmão que joga na faculdade. Não é de ter muitos amigos, na verdade, seu melhor amigo, Michael, comete suicídio. O que é retratado como passado na história, já que ele escreve depois do ocorrido. Sendo assim, estando em uma nova fase de sua vida (o colegial), Charlie procura por novos amigos, e acaba encontrando Sam e Patrick. 



É ai que a vida de Charlie muda. Ele está acostumado a não participar muito das coisas e Sam e Patrick o fazem participar, levando-o a festas e apresentando novas pessoas. Mas mesmo assim, ele continua com seu jeito invisível, simples e encantador.
   "Ele é uma figura, né?
   Bob concordou. Patrick depois disse alguma coisa que acho que nunca vou esquecer.
   - Ele é invisível.
   E Bob assentiu com a cabeça. E todos no porão fizeram o mesmo. E comecei a ficar nervoso como
   Bob, mas Patrick não me deixou ficar nervoso demais. Sentou-se do meu lado.
   - Você vê coisas. Você guarda silêncio sobre elas. E você compreende.

Bom, vocês perceberam que adorei Charlie, ele é um dos meus personagens favoritos com certeza. O livro levou 4,5 porque acho que o fim ficou... incompleto. Ou é só meu sentimento de tristeza com as poucas 223 páginas.



As filmagens de The Perks of Being a Wallflower já estão acontecendo nos EUA, e antes mesmo de comprar o livro, já sabia que o Logan Lerman meu lindo que fez Percy Jackson, mais um dos meus personagens preferidos faria o papel principal, então foi impossível ler o livro sem imaginá-lo todo o tempo, e com certeza ele é o ator que eu escolheria pro papel. Com ele também tem a Emma Watson, que assim como o Logan já leva a expectativa para o filme às alturas, além do mesmo ser um clássico.

Durante a leitura, algumas músicas vão aparecendo, escrevi essa resenha escutando Asleep, dos Smiths. Ela passa o 'climinha' exato do livro. Aqui estão mais algumas que Charlie faz questão de citar:



  • Vapour Trail, de Ride.
  • A White Shade of Pale, do Nick Drake.
  • Dear Prudence, dos Beatles.
  • MLK, do U2.
  • Blackbird, dos Beatles.
... e várias outras.





Estou com o mesmo sentimento de quando fui resenhar Quem é Você, Alasca?, por simplesmente não saber descrever exatamente o que senti ao ler esse livro. Vi em algum lugar alguém dizer "era uma pessoa antes desse livro, agora sou outra", e isso aconteceu comigo, aprendi muito com o modo observador e reservado de Charlie. Então, se você ainda não leu, não sabe o que está perdendo *frase clichê, mas a pura verdade*

4 comentários:

Nathália Risso disse...

Oi Bárbara!
Passando por aqui pela primeira vez, e amei seu blog! Lindo! Parabéns :) Já estou seguindo!
Ahh que resenha linda, estou doida para ler esse livro! E claro, mega ansiosa para assistir ao filme com a Emma e o Logan lindo!
Fiquei com super vontade de ler agora! Parabéns pela resenha :)
Beijos, Nathi
@bookswonderland
Books in Wonderland

Kivia Nascentes disse...

Uhhh...parece ser bacana demais esse livro, primeiro eu já adorei o nome dele! Quem sabe não leia hein?

beijos querida!
ps: tá rolando sorteio lá no blog (:

Samira Machado disse...

Parece ser perfeito esse livro! Já tava querendo ler depois da sua resenha eu mal posso esperar..

http://thebookofmydreams.blogspot.com/

saula cecilia disse...

Quando eu fiquei sabendo que era a Emma e o Logan que iam interpretar no filme, eu fiquei tipo: OMG, EU PRECISO VER ISSO! Aí depois eu me interessei pelo livro, mas ainda não li... ótima resenha :D

http://sapatosdeveludo.blogspot.com

Postar um comentário

 
Layout de Giovana Joris